May 2015 Archives

Anos atrás, saí com amigos numa feirinha sob o MASP.




"Olhar só com os olhos"


10jul2010

Veredicto: objetos antigos são sempre os melhores objetos, ao menos pras câmeras :)

Eu e namorada fomos à nossa rotineira visita ao Ibirapuera (não somos sedentários, vamos do Santa Cruz até lá a pé, damos uma voltona e voltamos de ônibus, quase toda semana), quando encontramos essa senhorita aqui:


por Luciana Assumpção

Coloridinha até, com franjinha na moda e tal. Ruiva? X) Tá na médida da série :P

Quando: 04/12/13 - Onde: Ibirapuera, perto do portão 5.








Todos os ângulos e coelho (fotografado no Shopping Eldorado, dias depois)

Mônica Parade
04060809
12131618
272930
31324950

07fev15 - restaurante de comida por kg no shopping Center 3

Ao menos o papel de parede era bonitinho...

- Senhor, você tem de criar uma senha de 6 números para tua conta, mas não pode ser sua data de nascimento e nem sequência de números seguidos...
- Pode ser a data de nascimento do meu irmão?
- Pode sim :)
Digita digita digita digita digita digita, janela de erro.
- Senhor, este número não pode.
- Mas é a data do meu irmão gêmeo, não disse que pode ser?
- ¬¬'


Senzalândia 2015
20102011-2013201422 - idioma alternativo23: dedicação total a você24: nanicolina

Oi!

Um registro de 2010, com os bichos aproveitando o parco sol de abril:


02abr10 Sansão e Bóris

Ia falar que Bóris entrou na foto pra cortar o barato de Sansão, mas a verdade que o poodle tá nem aí pra fotos, ele já tava lá, mas decidiu virar o corpo pra ver o que tava acontecendo. Por sinal, essa é a parte chata de fotografar cães: gatos fazem pose e estão nem aí com nada, modelos perfeitos, mas os canídeos querem ver o que está acontecendo, querem interagir com o fotógrafo e não querem ficar parados na pose legal :P

Cartaz numa porta de restaurante perto da Paulista. O cheiro realmente estava ruim... =/


21mar15 mas na semana seguinte, não tinha mais cheiro^^

Estou fazendo com namorada um curso de roteiro com namorada (e está muito bom, não é pq o professor era amigo do meu irmão em meados da aborrecência desse).

Decidi postar aqui os exercícios de texto que tivemos :P O primeiro foi fazer um conto baseado em algum caso da vida da gente. Falhei miseravelmente:

	Tenho dificuldades em tirar histórias de minha vida. Não que ela seja particularmente chata ou isenta de fatos legais, mas é a dificuldade de achar o "quê" daquele enredo, embalar aquele acontecimento com um significado para o leitor.
	Aí, me enfiei num curso de roteiro.
	Então, o professor pede...
		para
			eu
				contar
					algo
						de
						minha
						vida
						õ.ó
	E se bem que o velho roteirinho de "ah, sou escritor e vou contrar sobre a minha dificuldade de escrever" é um recurso mais batido que vitamina de leite com banana e neston.
	Pfiu! Quem disse que escrever é fácil?
	Enfim, o tempo é mais curto que as idéias e o professor deixou a gente inventar um pouco em cima da história. Erro dele...
	"UM METEORO CAIU EM CIMA DO PROFESSOR!"
			(problema resolvido :)

Mas no fim da aula, a "lição de casa" foi refazer o texto inserindo um elemento de fantasia. Acho que me saí melhor. Acho...

	Terra, o ano é 2999.
	Confesso que faltei às aulas de história, então não sei se quando eles chegaram estávamos em paz ou se estávamos em guerra ou se apenas estávamos gastando tempo e alimentando brigas inúteis na rede.
	Prazer, meu nome é Letra e sou uma das poucas que tem ainda tem algo que pode ser considerado um nome. Ou que conhece tantas palavras, já que cresci numa comunidade de contadores de histórias, onde velhos tomos de celulóide eram tratados melhores que crianças. Os livros eram frágeis, muitos dos melhores foram destruídos pelo tempo, pela natureza, pelo desleixo, eles estavam acabando. Já crianças, sempre teremos mais e mais.
	Nem a invasão acabou com elas, né?
	Frio. Alguns panos velhos não me protegem dele. Lá embaixo, os invasores me olham e não ligam, não represento risco. Nem uma nem bilhões de nós chegariam a ser um problema para eles, que chegaram, rasgaram nossa civilização como se fosse uma roupa gasta da Terra e foram tomando tudo, devagar, à medida da vontade deles, imparáveis.
	Agora somos retalhos flutuando ao vento da história, conservados por eles por respeito obrigativo ao passado.
	Um pulo, quase não chego ao edifício vizinho.
	É tudo metálico, duro e liso demais. E frio.
	- Conte uma história, uma história de tua vida.
	Assim como quem me esperava.
	Quando criança, me destaquei entre as demais por saber contar histórias e perceber as sutilezas do comportamento humano com tão pouco tempo de vida. Me separaram e me educaram nos velhos conhecimentos, na esperança de que eu descobrisse novas idéias nestes tempos estéreis. Mas, a gente cresce e nem tudo que matura segue o esperado: tenho dificuldades em tirar histórias de minha vida. Não que ela seja particularmente monótona ou isenta de fatos interessantes, mas é a dificuldade de achar o "quê" daquele enredo, embalar aquele acontecimento com um significado para o leitor.
	Mesmo que seja uma máquina vinda dos confins esquecidos do céu.
	Eu esperava tudo do Quinto Arcanjo. Pensei que teria de recitar trechos decorados dos velhos tomos ou adivinhar problemas cuja resposta óbvia fica oculta até descoberta.
	Menos isso: que eu contasse minha vida. 
	E estava frio, e eu estava à beira de um despenhadeiro da altura de montanhas. E toda as histórias de minha vida fugiram de mim ao ver os frios olhos vermelhos do autômato.
	Precisava de tempo.
	- Cinco minutos.
	Ele lera minha hesitação, meu corpo deve ter dado mil sinais.
	Eu tinha de contar algo e agradá-lo. Se conseguisse, meu povo terá alimentos pelos próximos onze anos. Em gerações, ninguém nunca os desagradou, mas os velhos dizem que houveram vários "quase", mas sempre havia benevolência no fim.
	- Eu....
	- Três minutos.
	Problema que "quase" é "quase". O quanto faltou, em todas esses séculos, para abrirem os portões da fome sobre nós?
	- Eu... euvoucontar sobreminha dificuldade em contar histórias sobre mim mesma! - disse sem respirar. Expontaneamente, joguei meus braços para o ar e pontuei o fim da minha frase com o som de minhas mãos batendo em meus quadris. - Não é justo, aposto que meia hora atrás eu me lembraria de mil coisinhas pra te contar, agora tenho nada, só a vontade de que tudo acabasse logo, que um meteoro caísse em cima de minha cabeça, que o chão me engolisse, problema resolvido.
	- Um minuto.
	- Um minuto para quê? Para decidir se o que te contei, que não foi sequer uma história de minha vida, vale a fome ou nossa subsistência?
	- Trinta segundos.
	O vento ainda soprava, me forçando a fechar os braços. O robô ainda estava lá, imóvel e eu olhava em volta, tentando me distrair da contagem, nada acontecia, além do coração ansioso dar pulos a cada número citado:
	- Dez segundos.
	A mão metálica começava a se mover. Quando o polegar apontasse para cima, como sempre apontou em todos estes anos, voltarei para casa, vitoriosa frente ao meu povo, livre da responsabilidade que não pedi.
	- Cinco segundos. Quatro segundos. Três segundos.
	Cruzo os dedos, velha superstiçãDOR!
	
	Letra sente o calor de seu sangue cortar a monotonia do frio em sua pele. Suas forças se vão, sua vista some em pontinhos pretos que parecem consumir sua consciência. Assim que seu coração para, o robô chamado Quinto Archanjo retira sua mão do tórax da sua vítima, altera sua forma metálica para mimetiza-la à nível celular e segue o caminho inverso que a humana seguira. Era a sua vez de pastorear o antigo povo daquele mundo.

"Queria tirar um extrato da minha conta"
"Senhor, extratos são somente para pessoas portando o documento original"
"Mas esse é original, só que eu diminuí ele"
"PRÓXIMO!!"

Se eu tirar xerox reduzida de uma nota de 100 reais, duvido que aceitarão.



Senzalândia 2015
20102011-2013201422 - idioma alternativo23: dedicação total a você

Até que achei legal a Antarctica ter entrado no mercado de "refrigerantes pretos" (coca e pepsi :P) com o "Guaraná Black", mas acho que eles podiam ter caprichado mais no sabor, ao menos quanto eles capricharam no visual da latinha.

Logo sai do mercado, e aposto que em algum rincão da internet estão culpando a Dilma, Lula e o PT pela existência desse refri tão sem graça.



Com a mão. A não ser que você seja um daqueles artistas com os pés!

E cliquem na imagem para ver a pergunta no ask.fm e aproveitem para fazer qualquer pergunta lá. Ao menos uma vez por mês escolho alguma pra responder :PP


Pra constar: eu desenhei a mão colocando a minha no monitor e contornando com o uso da mesa digitalizadora :P

...do São Bento:



E já que nessa caça aos semáforos turísticos de Sampa eu ando desenterrando fotos antigas do meu fotolog que migrei presse blog-geladeira, ó mais uma:

"Na foto, o Largo de São Bento, a Igreja de São Bento, o Mosteiro de São Bento, a faculdade São Bento e o Colégio de São Bento (que vai fechar). E também a entrada da estação de metrô São Bento ^_^"
Lista do semáforos té agora registrados:
Theatro Municipal
Prédio do Banespa
Liberdade (luminárias)
Liberdade (arco)
Monumento às Bandeiras
Edifício Copan
MASP

About this Archive

This page is an archive of entries from May 2015 listed from newest to oldest.

April 2015 is the previous archive.

June 2015 is the next archive.

Find recent content on the main index or look in the archives to find all content.

Pages

Powered by Movable Type 5.13-en