"Resenhas" rápidas: Astronauta: Assimetria; Kobato; Iniciativa: Super-Heróis

| 2 Comments

E a preguiça em pensar e escrever, o que fazer com ela?

Astronauta: Assimetria (de Danilo Beiruth): A série Graphic MSP, onde artistas diversos recriam os personagens do Maurício de Sousa em histórias fechadas, é daquelas que compro religiosamente para conhecer artistas, para ler boas histórias e por TOC completista mesmo, não nego.
Danilo Beiruth (que fez São Jorge anos atrás) pegou "para ele" o Astronauta, estreando a linha de Graphic Novels do Mauricio... mas dos álbuns da linha, eram os que menos me interessavam. O primeiro volume, Magnetar, com o personagem meio náufrago-noiado achei regular. Singularidade, a história seguinte, até meio que acrescentava um novo par romântico pro personagem (eternamente em dor de cotovelo por ter perdido a Ritinha para outro nos anos 90)(nisso que dá ser workaholic....) e até um inimigo que não fosse ele mesmo (apesar dos problemas psicológicos do herói ainda serem parte da pauta dos diálogos) também não me apeteceu. Isso com as duas histórias falando sobre eventos astronômicos muito legais que valeriam pontinhos a mais na minha escala nerd.
Assim, com vontade burocrática, fui ler.... e uau, nada como menos pretensão para fazer uma história funcionar, né? Infelizmente a ciência ficou meio de fora do centro da trama (realidades alternativas ainda tá muito no terreno da ficção), tirando a breve menção ao hexágono de Saturno, tratado quase como fosse cultura de almanaque. O que exatamente os aliens com visual kirbyesco (devem conhecer o mesmo alfaiate de Galactus) fazem e fizeram tambem ficou bastante vago, mas eles também não importam: as estrelas aqui são os personagens humanos.
O próprio Astronauta, com psique menos pesada, mas ainda com seus fantasmas do passado, ficou mais próximo do leitor e interessante. A simpática família alternativa, simples mas eficiente no enredo foi um excelente acréscimo à série. Até a psicóloga de Singularidade retorna brevemente, mas deixando a impressão de que é alguém e vai voltar. E vai ter de voltar, já que o gibi termina com um senhor gancho, só faltava escrever "continua".

# Veredicto: comecei lendo o gibi "espero que seja o último da trilogia" e terminei "agora quero um Astronauta IV, assim como Penadinho II, Turma da Mônica III e Piteco II".
# Bom: além de tudo acima, a edição tem mais páginas, o que deve ter ajudado no desenvolvimento da trama =)
# Mau: "vilões" e "o que eles fazem" confusos demais, desnecessariamente vagos. Felizmente não precisa se apegar a isso pra história se desenvolver.

Kobato (CLAMP): Já comentei aqui que para mim existem dois "Clamp" - o grupo de autoras japonesas que fizeram vários mangás (que viraram animes) de sucesso: o bom, que gera histórias legaizinhas como XXXHolic, Angelic Layer e Sakura Card Captor e o ruim, que escreve bombas como Tsubasa: Reservoir Chronicle, RG Veda (único mangá que abandonei no meio, no regrets) ou Chobits.
E pra variar, começo divagando... :P
Kobato, além do nome da personagem principal, é um mangá bonitinho: uma moça inocente e com passado misterioso tem a missão de curar os corações das pessoas e encher uma jarra com esses corações feridos. Com a jarra cheia, ela realizará seu desejo.... e a história começa assim, um objetivo, pequenas historinhas, uma fórmula bastante conhecida até. Mas aos poucos muda... bom, não existem grandes revelações na trama, mas é agradável ver como um conceito que poderia sustentar a história indefinidamente (quem nunca?) é abandonado organicamente e a trama evolui para algo diferente.
Sim, a história evolui, mas os personagens nem tanto :P Isso não chega a ser um problema, mas me incomoda a mania de inserir romances desnecessários numa história, mas imagino que isso seja culpa do público-alvo da revista onde Kobato foi publicado. Também tem os lugares comuns das historinhas do Clamp: meninos sérios demais, bichinhos fofinhos, paixões complicadas.
Enfim, um mangá legalzinho, mas não a ponto de ficar na minha estante. (comprem aqui XD)

# Veredicto: apesar de não se destacar, valeu a pena gastar meu tempo com essa história.
# Bom: a transformação do roteiro, pode não ser algo "oiiiihhh, que fodástico", mas foi digno de nota.
# Mau: além dos lugares comuns do grupo e do gênero, me incomodou a idéia de atirar meninas de dezesseis anos para homens muuuuuuuito mais velhos :PP (ok, é uma cena do finalzinho, pode não ser isso, o contexto justifica, mãs.... já não bastavam as discussões maldosas sobre o final de Chobbits? :P)

Iniciativa Super-Heróis (Disney): a Abril anda relançando várias coletâneas Disney em capa dura. Algumas são merecidíssimas (o relançamento das histórias do Carl Barks, por exemplo - apesar de preferir o formato maior da edição anterior), outras são duvidosas (tem aí uma com temática Cinema. Precisava de algo assim? Para quê embrulhar com formato de luxo algo que caberia normalmente num dos diversos almanaques disneyanos da editora???).
Bom, Iniciativa Super-Heróis está na segunda categoria (com os mesmos argumentos do parênteses anterior) e só comprei achando que cobriria completamente o run do Marcelo Cassaro (Holy Avenger, Turma da Mônica Jovem) no Zé Carioca/Morcego Verde, em que ele parodiou várias histórias clássicas do Batman (Cavaleiro das Trevas, Piada Mortal), isso valeria o investimento com lucro.
Valeria. Ao abrir o gibi desnecessariamente caro, descobri que só tem duas das quatro histórias escritas pelo autor =_=
De resto, tive algumas boas surpresas ao conhecer personagens como Vespa Vermelha e morri de tédio com o Super-Pateta. Sorte que já vendi no ML recuperando boa parte do dinheiro mal-gasto >=P

# Veredicto: dê mais valor ao seu dinheiro e ao apertado espaço na tua estante, não compre isso não.
# Bom: algumas histórias são divertidinhas e até vale o contraste entre histórias vindas de tempos e lugares tão díspares como EUA dos anos 60/70 e Itália do século XXI.
# Mau: material normal em embalagem de luxo. E apesar da arte menos estática dos italianos, me incomodou ver Margarida com formas, hmmm.... mamíferas. Entendedores entenderão.


outras resenhas:

2 Comentários

Adriana (Strix) em 29/01/17, às 21:56: Ainda quero ver as outras edições de luxo da Disney. Só comprei até agora Pateta Repórter, e olha, valeu cada centavo. (Reply)

Deixe um comentário

About this Entry

This page contains a single entry by mushi-san published on January 29, 2017 8:22 PM.

Hic sun monstra - resenha #2 was the previous entry in this blog.

Esquadrão Sinistro is the next entry in this blog.

Find recent content on the main index or look in the archives to find all content.

Pages

Powered by Movable Type 5.13-en