Mushi de ponta cabeça - parte zero

| 5 Comments

Antes de tudo: como tenho amigos estrangeiros, o blog vai ser kinda bilíngue daqui pra frente, dependendo do meu humor e preguiça (por exemplo, esse post é grande, então não vou traduzir :P). Como é público e notório, meu inglês é R•U•I•M, aceito correções, mas não levem essa tarefa muito a sério, ok? :P

Fim do ano passado, surtei de pedir passaporte: fiz e paguei a requisição no site da Polícia Federal, algumas semanas depois fui em um posto entregar a documentação, recolher as digitais, etc. Em duas semanas o teria em mãos :D Aí, entre uma data e outra, torci o pé e do dia de ir buscar, decidi ir mancando mesmo, debaixo de chuva (isso é, tava caindo um dilúvio aquele dia e a besta aqui impossibilitada de correr, mas teimando em não levar guarda-chuva) pegar o dito cujo.
Mas, só depois de semanas de ter tirado, decidi o que fazer com ele...


Bom, um dos meus critérios pra viajar é ter gente para conhecer do lado de lá. Foi assim quando fui pra Recife e pra Brasília, foi assim quando fui pra FIQ em Belo Horizonte e também nas inúmeras vezes que visitei o Carioquistão. Tenho amigos nos EUA, mas por motivos técnicos resolvidos só recentemente, eu estava impossibilitado de vê-los (#lalala). Mas no Japão tenho um amigo de colégio morando lá desde o século passado, e um punhado de anos atrás ele deu as caras por aqui a serviço, por que não ir lá?

("por que não?" é a pergunta que mais me fez fazer coisas esquisitas de que não me arrependo ^^)

Conversei com ele, beleza. Meus plano de mushi envolviam eu ficar na casa dele e economizar uma fortuna em hotel =P Mas isso furou por que a mãe dele não estava bem (e deu alguns sustos na gente no começo do ano) e estava morando com ele, pçortanto eu não caberia lá. Ok, vamos ao plano B: hotel. E comprar passagens, comofas/
Aí, comentei meus planos de viagem para a @Apocrypha, que falou que amiga dela trabalhava numa agência de viagens, e me passou o contato :) Sei lá, eu tinha receio de agência de viagens, o Adilson tinha até me indicado algumas usadas pela colônia aqui - mas eu imaginava burocracia, engessamento de roteiros, além da minha fobia crônica em entrar em lojas e perguntar =_= - mas no fim das contas foi o melhor que fiz: eu não tenho tempo e skill para organizar todos os detalhes da viagem, eles tem. Mesmo pagando um tanto a mais (e acho que paguei a menos, agências costumam ter descontos em passagens e tal por fazerem compras grandes), o que eu economizei em aspirinas e tempo é priceless X)


Ok, contatei a Patrícia e por trocentos emails com ela (e com alguns repassados para o Adilson), fomos acertando os detalhes: ficaria 10 dias lá, sem um roteiro fixo para seguir - meu plano sempre foi ter uma "base" em Tóquio e de lá decidir pronde ir. Como o consulado japonês EXIGE que você já tenha pago avião e hotel para depois pedir o visto, a aventura já começa dando as primeiras facadas épicas no orçamento XD
Também consegui marcar as minhas férias para o fim de abril, concidindo minha chegada no Japão com a Golden Week, uma série de feriados emendados lá, praticamente uma "semana do saco cheio" nacional x) Isso daria alguma liberdade para meu amigo me ajudar por lá, mas também seria outro motivo para eu reservar hotél o mais rápido possível.

Como meu RG decidiu estragar, decidi tirar um novo antes de mandar a documentação pro visto, e depois enviei tudo (original e xerox de trocentas coisas) pelo correio. Aí, soube que, por orientação do despachante da agência de viagens, eles aguardariam algumas semanas para fazer a solicitação: como o visto japonês tem validade de só três meses, era melhor pedir um pouco mais em cima da hora para ele não vencer antes mesmo de eu começar a viagem o.o'

Nesse meio tempo, também decidi desenferrujar meu conhecimento tênue de nihongo pelo Livemocha - eu pegaria mais firme nos estudos em abril - e também decidi que ficaria quieto sobre meus planos de viagem no twitter e blog, seria legal fazer uma surpresa para todos né? "oi, adivinhem onde eu tô agora? XD"


Então que a natureza decidiu me trollar e tornar minhas férias épicas antes mesmo de embarcar: no níver de um ano de Milla, houve o terremoto no Japão e todo mundo sabe dessa história. E aí, viajo ou não? E radiação? Como estão as coisas lá? Amiga japonesa me fala que NÃO DEVO viajar. Outro me fala que ela é assustada e que Tóquio está tudo relativamente ok, tirando o racionamento de energia ("a crise no Japão vai ser em agosto, com o verão de trinta graus e os ar-condicionados desligados..."). Cada novo tremor e notícia de Fukushima vinha gente da família e do msn me recomendando que talvez não fosse boa idéia eu ir pra lá, ainda mais quando declararam nível sete pro desastre nuclear.

Como o maior inimigo do medo é a informação, passei esse mês e tanto lendo o que podia sobre o desastre (CNN (mais histérica), BBC (um tanto menos histérica) e Al Jazeera (que ganhou créditos comigo ao fazer uma boa cobertura na ocupação do Complexo do Alemão) eram visitados diariamente) e sobre radiação em si (o texto das bananas que traduzi foi um dos melhores achados contra a histeria da imprensa), acho que eu tinha alguma tranquilidade.
Até por que evitei ver os telejornais daqui, afinal, televisão não é exatamente um instrumento de precisão jornalística, e sim de entretenimento em massa.


(meus 2 centavos sobre o "nível 7": não significou que a situação no Japão tinha piorado ainda mais aquele dia, mas que estavam assumindo que o desastre era tão ruim quando parecia ser. Foi uma alteração de nomenclatura com fins de Política, uma arte em que as palavras tem mais poder que na vida real: como o bicho agora tinha um nome mais feio que "nível 5", fica mais aparente pros burocratas o tamanho da caca para eles fazerem o que deve ser feito...)


Contador Geiger a venda em Akihabara por cerca de R$2700. Foi o único anúncio desse tipo que vi.

Enfim, quase desisti, mas decidi teimar e as pessoas começaram a falar menos para eu não ir a medida que o assunto esfriou no noticiário x)


Nesse meio tempo, os papeis foram enviados para o consulado: reservas, extratos bancários de meses, holerites, declarações de imposto, carteira de trabalho (tenho mais tempo de banco do que eu gostaria, isso deve contar pontos a favor), comprovante de férias... tudo com cópias. Os documentos chegaram no consulado, os funcionários olharam para eles e me negaram o visto por falta de renda.

Wat?! o.o'

Pois é. Os papéis nem esquentaram a mesa e foram rejeitados ¬¬ Me sugeriram juntar rendimentos dos meus pais e uma declaração deles com firma reconhecida em cartório de que eles estavam custeando minha viagem.

Wat²?! o.o

Powxa, já passei da idade de meus pais me custearem, pior, eu mesmo que tava bancando tudo, as transferências estavam evidentes nos extratos XD Isso não colaria e eu teria um prejuízo do tamanho do Kraken...

Mas. Colou. !. =_=

(tenho lá umas teorias, mas não coloco aqui em público. Mas até entendo que o governo japonês é cismado com brasileiros dizendo serem turistas e se perdendo na multidão de ilegais, mas por outro lado, eu nunca passaria despercebido no país, tampouco me misturaria com a população XD E, desde a crise de 2008, muita gente decidiu abandonar lá e voltar para cá. Conheço caso de gente que casou com japonesa e deixou a esposa e filhos lá para ver se conseguia algo por aqui)


Enfim, eu tinha visto e todo o resto, só faltava agora os detalhes menores que deixei pro fim: ienes, roupas novas, preparar o site, bagagens, limpar kindle e Lapxuxa (fisicamente e de pirataria, nunca se sabe o que podem implicar com você na entrada de outro país)...


E então, contei que por causa das preocupações radioativas, acabei não estudando japonês? XD


Japão 2011
sRViajo ou não viajo pro Japão?Prova do crimePreparação de viagem

5 Comentários

Alleen em 11/05/11, às 02:15: voltou sem brilhar no escuro, com o português tinindo, mas o japones ... XD e ainda continua solteiro! XD (Reply)
Tatsumi em 11/05/11, às 10:24: Lamento por nao ter voltado um Xmen... quem sabe na proxima viagem a alguma area radioativa o/ (Reply)
Borges em 11/05/11, às 11:09: Impressionado com a sua capacidade de botar parênteses dentro de parênteses e fechar todos. Parabéns pela viagem! (Reply)
Paty em 11/05/11, às 14:40: Olá!!! Otimo relato! Fala sério, esse negocinho oval da foto do visto eh mto engraçado... Eu que fui a agente... Bjux
(Reply)
Julio Cesar Mulatinho em 11/05/11, às 21:07: Não demore com os próximos capítulos. (Reply)

Deixe um comentário

About this Entry

This page contains a single entry by mushi-san published on May 11, 2011 12:13 AM.

Preparação de viagem was the previous entry in this blog.

Mushi de ponta cabeça - parte um is the next entry in this blog.

Find recent content on the main index or look in the archives to find all content.

Pages

Powered by Movable Type 5.13-en