April 2017 Archives

Minha mãe tem um DeviantArt, eu que fiz para ela XD e em 2017 estou retomando colocar os trabalhos dela por lá =)


Se quiserem ver o detalhe, o link é aqui


Visitem: http://marissel.deviantart.com/


01abr17 - Sede da Prefeitura de São Paulo

Até o governo anterior esse cercado era bem mais rente ao prédio, inclusive tinha uma banquinha com mapas e informações turísticas ao lado do poste da direita. Num ato de coragemm típica, nosso prefake ampliou, o isolamento do executivo municipal, tomando espaço dos cidadãos (ao menos aos sábados).


13abr17 - Metrô Sé, sentido Jabaquara

Em pleno sucateamento, o antes orgulhoso metrô de Sampa está infestado de vendedores, pedintes e artistas. E, pelo texto deixado anonimamente numa viga reservada para anúncios publicitários, também está infestada de gente preconceituosa.


22abr17 - Shopping Metrô Tatuapé

Banca/gibiteria fechada, era um dos meus points preferidos nesse Shopping. E nos meus "resposta para a vida, o universo e tudo mais" anos de vida, nunca vi tantas lojas fechadas em Shoppings, tantas promessas de "aguarde, em breve uma novidade para você" nas fachadas vazias, ao menos no Tatuapé e Santa Cruz, onde mais circulo. As coisas melhoraram, não é?

Hoje fez um ano que teve uma votação esdrúxula (com motivos esdrúxulos, muita hipocrisia e muito nome de Deus em vão), iniciada por vingança e que nos dias seguintes virou meme e piada nacional.

Bom, a Dilma caiu e o país está garantindo nossos direitos e estamos vivendo melhor que antes, né?


né????

(Shaper of Worlds)
Sua origem é desconhecida. O Figurador foi encontrado pelo Hulk em outra dimensão. Desde então, ele tem sido visto na Terra e no planeta Tribbit, lar dos Homens-Sapos. O Figurador viaja pelo espaço e pelas dimensões em uma nave esférica de vários quilômetros de diâmetro, e possui feições semelhantes às da raça Skrull. Movido pelo impulso criador de modelar mundos, ele tem uma imaginação muito limitada no tocante à forma que esses mundos devem ter. Por essa razão, o extraterrestre procura outros seres cujas fantasias lhe fornecem elementos para criar. Em outras palavras, ele transforma o sonho de todos em realidade.


Índice: ABCDESobre esse projeto

(The Beast)
Hank McCoy é um mutante cujos poderes se manifestaram desde seu nascimento. A provável causa de sua mutação foi a exposição de seu pai a doses maciças de radiação durante um incidente em uma usina nuclear. Quando jovem, a capacidade atlética e agilidade sobre-humana de McCoy tornaram-no o melhor jogador de futebol americano de sua universidade. Foi nessa época que o Professor X soube de sua existência e o convidou a ingressar em sua escola para mutantes. Tornando-se membro dos primeiros X-Men, Hank recebeu o nome de Fera. Assim que se formou, McCoy conseguiu emprego como pesquisador genético nas Indústrias Brand. Lá, ele conseguiu descobrir um elemento capaz de causar mutações e desenvolveu um soro na esperança de alterar sua aparência para poder capturar agentes inimigos, infiltrados na organização. O soro provocou um crescimento exagerado de pelos em todo o seu corpo, ampliou seus dentes caninos e aumentou ainda mais suas habilidades atléticas. Contudo, permanecendo tempo demais nesse estado, Hank descobriu que nao poderia mais reverter o processo e voltar a sua forma normal. Desesperado a principio, pouco a pouco ele foi aprendendo a aceitar seu aspecto animalesco, que se adaptou mais ainda a seu cognome Fera. Criado por Stan Lee em 1963, Hank McCoy possui força sobre-humana e a agilidade e velocidade de um grande macaco. O soro também transformou sua personalidade introvertida na de um verdadeiro farrista. Apesar de seu aspecto, o Fera tem muita sorte com as mulheres. Freqüentemente, ele passa suas noites se divertindo com muitas delas, vivendo como um verdadeiro superboêmio.


Índice: ABCDESobre esse projeto

• A Fonte Âmbar (de Ana Lúcia Merege) - Último volume da "Trilogia Athelgard", iniciada em O Castelo das Águias e A Ilha dos Ossos, que se passa num mundo medieval fantástico, um tanto inspirado nos antigos celtas, com espada e guerreiros, magia e magos (mas uma magia discreta, sem muitos efeitos de luz, bola de fogo e encantamentos em latim macarrônico), elfos (bastante humanos, na minha opinião) e até dragões (ok, só "vi" um na série toda, e de longe - mas que eles existem lá, existem).

O primeiro volume, O Castelo das Águias, conta a chegada de Anna de Bryke para lecionar na Escola de Artes Mágicas de Vrindavahn (não, não é Harry Potter, tem a palavra "medieval" ali no alto, viu?), seu envolvimento com novos colegas e ambiente, a defesa das águias da região contra os militares que as querem usar para seus fins sem pensar na consequência para os animais e, principalmente, o romance dela com Kieran, o ranzinza Mestre das Águias. Talvez esse foco no romance (depois de um primeiro capítulo agitadíssimo) irrite alguns, mas é um bom livro.

Depois vem A Ilha dos Ossos, em que Anna desaparece numa viagem, e Kieran vai atrás dela de sul a norte no lado oeste do continente. Acho que é o livro que mais gostei, devorando as páginas. Nosso personagem ranzinza vai juntando as peças do paradeiro da companheira e seguindo em frente, e ninguém consegue impedi-lo, nem se tiver séculos de idade ò_ó E não, não é um livro com "donzela em perigo", já que a desaparecida usa inteligência e recursos disponíveis para se manter viva e virar o jogo assim que for possível =) Única reclamação que tenho desse livro é o final "solto", ele não parece fazer parte do corpo do texto, nem os personagens anseiam/esperam/procuram pelo que foi conseguido ali.

A Fonte Ambar tem ritmo mais quebrado que o livro anterior, por trabalhar com vários narradores, geralmente o casal Kieran e Anna, mas outras pessoas compõem o mosaico de vozes. E nisso a autora se destaca positivamente, os narradores estão bem distintos, só escorregando poucas vezes, talvez por serem personagem menos interessantes.
E o que acontece nesse livro, mushi-chan? A guerra está chegando às Terras Férteis e nosso casal de magos vai à cidade de Scyllix - em parte para ajudar na preparação para a guerra, parte para resolver a questão das águias guerreiras e também para investigar poderoso mago que dizem estar por detrás do exército inimigo.
[pinte com o mouse se você curte spoilers]E esse mago talvez seja o calcanhar de Aquiles do livro: são dois, sendo que o mais novo se "converte" fácil demais para o lado dos narradores. Ok, é coerente com o personagem, mas fácil demais.... e, poxa, o vilão mais velho (bem velho), não previu que isso poderia acontecer?
Por sinal, esse mago era desinteressante e apagado na trama, e quando se revelou, ficou meio óbvio e chamativo. E continuou muito interessante
. Apesar que o grande "inimigo" do livro é o espectro da guerra chegando, não as pessoas.

# Veredicto: é uma boa série que recomendo sem medo. Tem o problema do patinho feio da série ser justamente o começo dela, mas tendo sido o leitor avisado do nível de açúcar, tudo se resolve x)
# Bom: a narrativa flui gostosa, o universo é rico e "vivo", o par central é cativante e cheio de personalidade. E, para quem gosta, o segundo livro tem um vampiro e o segundo tem uma cena de ataque de zumbis :P E, na Fonte Ambar, gostei da interação e evolução da relação de Kieran (e Anna) com sua irmã ranzinza.
# Mau: algumas partes são mornas. Apesar das partes de ação, tem muita política (especialmente na Fonte Âmbar) e como leio beeeeeeeeeeeem parcelado, me embananava nos contextos explicados porque simplesmente já tinha esquecido metade do que tinha lido antes =_= Inclusive, tenho o mesmo problema com a multidão de personagens de nomes "estranhos" que povoam a série, mal me acostumei com o cast da Escola de Magia...
196 páginas (Castelo das Águias), 296 páginas (Ilha dos Ossos) e 300 páginas (Fonte Âmbar) • R$35,90 (Castelo das Águias) e R$49,90 (Ilha dos Ossos e Fonte Âmbar) • site oficial da série

Pateta Repórter (de Walt Disney de Teresa Radice & Stefano Turconi) - Mais um encadernado Disney, e esse ia deixar passar, até ser indicado por uma amiga que é bem exigente nas indicações: as histórias da dupla italiana (e também casal) Teresa Radice (roteiro) e Stefano Turconi (arte) se passam nos anos 30, numa cidade que remete à Nova Iorque daquela época, fazendo uma releitura divertida, com clima próprio dos personagens da "família" do Mickey: Pateta é um repórter (contratado por acidente), Minnie além de péssima cozinheira, tem um noivo que nunca aparece (e vocês sabem quem é), Clarabela é cartomante, a cidade tem como prefeito o Horácio e João Bafo de Onça e outros vilões menores aparecem como gangsters a serviço de Basil Blackspot (quem for esperto, vai saber quem ele é de cara^^), que também é o dono do jornal onde o Pateta trabalha.
A arte é diferente do normal, tem personalidade, que casa perfeitamente com a construção delicada do cenário e dos personagens - por sinal, acho foda a apresentação dos personagens no primeiro capítulo. Vários dos enredos fazem homenagem a enredos típicos do período (temos Chaplin, temos uma re(f/v)erência à Agatha Christie (foi por isso que me minha amiga leu o volume), aos primeiros aviadores que cruzaram oceanos, espiões, safaris na África, etc) e tem seu humor próprio, gostoso, meio inocente, mas não escrachado.

# Veredicto: recomendão. Acho que até quem não curte Disney vai curtir - alguns dos personagens estão saudavelmente distanciados dos modelos originais.
# Bom: só elogiei, né? Tem uma cena que é pura poesia pra mim, quando, numa caça ao tesouro em outro continente, um personagem meio que se declara à outra. Não se vê algo tão bem trabalhado por aí sempre.
# Mau: algumas histórias são só ok (discos voadores) e achei irritante a diagramação de algumas páginas necessitar de flechinhas guiando a leitura dos quadros.
480 páginas • R$59,90

Saga #4 (de Brian K. Vaughan e Fiona Staples) - Saga é aquele gibi famosão, que curto ler cada volume que sai em português, mas que não é essa coca-cola que anunciam. É legal, é bem contado, bem ilustrado, mas não revoluciona a cabeça de ninguém.
O que é: num universo com aliens humanóides (a maioria parece uma mistura de gente + algum bicho) (a minoria restante é uma mistura de gente com televisão....), um casal de espécies em guerra (Alana e Marko) tem uma filha, Hazel - e, sim, tendo uma filha mestiça eles fizeram algo proibido nas regras daquele universo. Assim, eles têm de fugir e se esconder por vários mundos, sobrevivendo e tentando criar a menina.
E, claro, tem caçadores contratados para captura-los.
A graça é que Brian K. Vaighan não é um autor raso. Os personagens são humanos, com defeitos irritantes e momentos iluminados. A trama segue um bom ritmo, quando você vê, já leu o volume todo. Só me preocupa o fato de que a cada edição entra mais gente e mais subtramas, fazendo o novelo crescer e crescer... (às vezes o autor é cruel e faz uns cortes dolorosos, quase que de surpresa...).

# Veredicto: leia sem medo, só não espere uma revolução :)
# Bom: a Gata da Mentira. Tem personagem secundário que vale mais que dimensões ficcionais inteiras.
# Mau: essa edição em si tá meio abaixo das anteriores, meio que centrada no trabalho novo de Alana (que podia ser algo mais interessante, só que ficou nhé), mas segura a qualidade.
152 páginas • R$65

PS: alguém me confirma que a língua alien que surge em alguns momentos é Esperanto?


outras resenhas:

(Phoenix)
Mutante, filha mais nova de John e Elaine Grey, a princípio, seus poderes eram apenas telepatia e telecinésia (capacidade de mover objetos apenas com a força do pensamento). Mais tarde, quando se transformou na heroína Fênix, suas capacidades cresceram a tal ponto que poderia destruir um sistema solar inteiro. A habilidade telepática se manifestou na jovem, pela primeira vez, quando ela tinha onze anos, Uma colega, ao tentar apanhar uma bola, foi atropelada e morta por um carro. No instante em que a amiga morria, Jean captou todas as suas últimas e trágicas sensações, vivendo uma experiência tão intensa que a deixou catatônica. Seus pais a levaram a vários psicólogos, mas nenhum deles foi capaz de ajudá-la. Um deles, porém, recomendou o nome de Charles Xavier (veja Charles Xavier). Quando recebeu a jovem, Xavier usou seus próprios poderes telepáticos, e conseguiu trazê-la ao normal. Na ocasião, ele também implantou na mente de Jean bloqueios psíquicos que contiveram suas habilidades até ela se tornar madura o bastante para lidar com elas. Acolhendo-a como sua aluna, o professor começou a desenvolver os poderes telecinéticos da menina, trabalho que durou seis anos. Depois de concluído, Charles convidou a mutante para fazer parte dos X-Men. Assumindo o nome de Garota Marvel, ela tornou-se o único membro feminino do grupo e se apaixonou por Scott Summers, o Ciclope (veja Ciclope). Quando os X-Men foram reestruturados, após a saída de vários de seus integrantes originais e a entrada de novos mutantes, Jean optou, a principio, por se afastar da equipe; contudo, ela logo retornou, atraída pelo amor que sentia por Scott. Numa das primeiras missões dos Novos X-Men (veja Novos X-Men), quando estes retornavam de um confronto com as Sentinelas do Espaço (veja Sentinelas do Espaço), a nave dos mutantes foi colhida por uma violenta tempestade solar. Enquanto seus companheiros se protegerem dos raios no compartimento anti-radiação, ela permaneceu na cabine de comando para, com a ajuda de seus poderes telecinéticos, controlar a nave. Exposta a níveis massivos de radiação solar, sua estrutura genética foi alterada. De certa forma, a Garota Marvel que todos conhecem morreu durante a reentrada do foguete em nossa atmosfera, renascendo, logo após, como Fênix - um ser cujos poderes mentais servem tanto para criar como para destruir. A totalidade de suas capacidades ainda não está completamente manifestada, mas tudo nos leva a crer que muitos mistérios a respeito dessas capacidades ainda serão revelados no futuro. A Garota Marvel foi criada por Stan Lee em 1963, enquanto que sua transformação em Fênix foi obra de Chris Claremont em 1972.


Índice: ABCDESobre esse projeto

(The Scarlet Witch)
Criada por Stan Lee em 1963, muitos mistérios circundam a origem da Feiticeira Escarlate. Sabe-se que, quando era adolescente, Vanda Maximoff e seu irmão, Pietro, viviam em sua tribo cigana quando perceberam que possuíam talentos bastante peculiares. Colocando-se em determinado estado mental, com um gesto, Vanda conseguia provocar verdadeiros fenômenos, enquanto que a velocidade de Pietro só podia ser chamada de sobre-humana. Quando o pai dos jovens começou a roubar comida de uma vila próxima para alimentar sua família, os habitantes do vilarejo atacaram o acampamento de ciganos. Usando sua velocidade incrível, Pietro fugiu com a irmã. Os anos que se seguiram, Vanda e Pietro passaram vagando pela Europa Central, até que a jovem, acidentalmente, provocou o incêndio de uma casa com seus poderes sobrenaturais. Ela e seu irmão foram perseguidos pelos habitantes supersticiosos e quase se viram linchados, quando Magneto (veja Magneto) surgiu em seu socorro. Pressionando os dois jovens para ingressarem na Irmandade de Mutantes (veja Irmandade de Mutantes), o vilão concedeu-lhes uniformes e os nomes de Feiticeira Escarlate e Mercúrio. Durante meses, eles serviram à Irmandade, até que o ser extraterreno de nome O Estranho (veja Estranho) teleportou Magneto da Terra. Quando isso aconteceu, a Feiticeira e Mercúrio abandonaram os mutantes e entraram para a equipe dos Vingadores (veja Vingadores). Certa época, Vanda perdeu misteriosamente seus poderes. Encontrando um livro mágico de outra dimensão, ela e Pietro foram levados até o mundo de Arkon (veja Arkon). Auxiliados pelos Vingadores, ambos conseguiram retornar à Terra, fato que devolveu os poderes mágicos à Feiticeira Escarlate.


Índice: ABCDESobre esse projeto

Só avisando :)


Basicamente estava no busão, voltando depois de passar horas boas com namorada e amigos. Dois pontos dele entrar no meu bairro, dois homens armados (que parece ter entrado na condução bem antes, talvez até no ponto inicial) roubaram os celulares dos passageiros e logo saíram. Nessa, o meu (igual o indivíduo da foto acima) se foi.
Paciência.

Graças a Deus ninguém se machucou e estou feliz por ter tido calma de ponta a ponta =p

Saldo: Não levaram meu ipod velho (provavelmente pensaram que eu tava de celular por manter fone de ouvido)(eles iriam me xingar muito se pegassem a sucata de ipod que uso), nem maquina fotográfica (também velha, precisa ser aposentada, mas uma guerreira). Os únicos itens que eu surtaria, insubstituíveis, são meus cadernos/fichário/diário que carrego para cima e para baixo. Estão comigo :)

Outra sorte minha é a pequenez em vida móvel que possuo: só uso e-mail, twitter, telegram, instagram e dropbox lá (estes últimos, rararamente). Já estão bloqueados etc. Não tenho facebook ou zapzap, não sou viciados em jogos (DROGA, acabei de perceber que perdi todos os saves de Phantasy Star >_<) nem uso o celular "produtivamente" - o aparelho era basicamente pra trocar SMS com dona namorada e ver se vendi algo no mercadolivre X)

Acho que é só, agora vai ser um saco escolher outro aparelho, e não, não é por ter sido roubado que vou apoiar candidatos (ex)militares ou (ex)policiais para qualquer cargo, fui privado do meu celular, não da sanidade.

PS: foto retirada desse site aqui.

About this Archive

This page is an archive of entries from April 2017 listed from newest to oldest.

March 2017 is the previous archive.

May 2017 is the next archive.

Find recent content on the main index or look in the archives to find all content.

Pages

Powered by Movable Type 5.13-en