January 2017 Archives

(Squadron Sinister)
Kang, o conquistador do futuro (veja Kang), fez uma aposta com o Grande Mestre (veja Grande Mestre), na qual Kang deveria escolher uma equipe de campeões para enfrentar outra equipe, também de campeões, escolhida pelo Grande Mestre. Para isso, este último alterou o passado de quatro seres humanos, transformando-os em superseres, os quais decidiu chamar de Esquadrio Sinistro. Os componentes do esquadrão eram: o Gavião Noturno, dotado de aguçada inteligência e agilidade olímpica; o superpoderoso Hyperion, dotado de poderes sobre-humanos e força incomparável; o Dr. Espectro, senhor do prisma místico; e Relâmpago, o mestre de velocidade. Criado por Roy Thomas em 1969, o Esquadrão Sinistro enfrentou os Vingadores e foi derrotado, garantindo a vitória da aposta para o maligno Kang.


Índice: ABCDSobre esse projeto

E a preguiça em pensar e escrever, o que fazer com ela?

Astronauta: Assimetria (de Danilo Beiruth): A série Graphic MSP, onde artistas diversos recriam os personagens do Maurício de Sousa em histórias fechadas, é daquelas que compro religiosamente para conhecer artistas, para ler boas histórias e por TOC completista mesmo, não nego.
Danilo Beiruth (que fez São Jorge anos atrás) pegou "para ele" o Astronauta, estreando a linha de Graphic Novels do Mauricio... mas dos álbuns da linha, eram os que menos me interessavam. O primeiro volume, Magnetar, com o personagem meio náufrago-noiado achei regular. Singularidade, a história seguinte, até meio que acrescentava um novo par romântico pro personagem (eternamente em dor de cotovelo por ter perdido a Ritinha para outro nos anos 90)(nisso que dá ser workaholic....) e até um inimigo que não fosse ele mesmo (apesar dos problemas psicológicos do herói ainda serem parte da pauta dos diálogos) também não me apeteceu. Isso com as duas histórias falando sobre eventos astronômicos muito legais que valeriam pontinhos a mais na minha escala nerd.
Assim, com vontade burocrática, fui ler.... e uau, nada como menos pretensão para fazer uma história funcionar, né? Infelizmente a ciência ficou meio de fora do centro da trama (realidades alternativas ainda tá muito no terreno da ficção), tirando a breve menção ao hexágono de Saturno, tratado quase como fosse cultura de almanaque. O que exatamente os aliens com visual kirbyesco (devem conhecer o mesmo alfaiate de Galactus) fazem e fizeram tambem ficou bastante vago, mas eles também não importam: as estrelas aqui são os personagens humanos.
O próprio Astronauta, com psique menos pesada, mas ainda com seus fantasmas do passado, ficou mais próximo do leitor e interessante. A simpática família alternativa, simples mas eficiente no enredo foi um excelente acréscimo à série. Até a psicóloga de Singularidade retorna brevemente, mas deixando a impressão de que é alguém e vai voltar. E vai ter de voltar, já que o gibi termina com um senhor gancho, só faltava escrever "continua".

# Veredicto: comecei lendo o gibi "espero que seja o último da trilogia" e terminei "agora quero um Astronauta IV, assim como Penadinho II, Turma da Mônica III e Piteco II".
# Bom: além de tudo acima, a edição tem mais páginas, o que deve ter ajudado no desenvolvimento da trama =)
# Mau: "vilões" e "o que eles fazem" confusos demais, desnecessariamente vagos. Felizmente não precisa se apegar a isso pra história se desenvolver.

Kobato (CLAMP): Já comentei aqui que para mim existem dois "Clamp" - o grupo de autoras japonesas que fizeram vários mangás (que viraram animes) de sucesso: o bom, que gera histórias legaizinhas como XXXHolic, Angelic Layer e Sakura Card Captor e o ruim, que escreve bombas como Tsubasa: Reservoir Chronicle, RG Veda (único mangá que abandonei no meio, no regrets) ou Chobits.
E pra variar, começo divagando... :P
Kobato, além do nome da personagem principal, é um mangá bonitinho: uma moça inocente e com passado misterioso tem a missão de curar os corações das pessoas e encher uma jarra com esses corações feridos. Com a jarra cheia, ela realizará seu desejo.... e a história começa assim, um objetivo, pequenas historinhas, uma fórmula bastante conhecida até. Mas aos poucos muda... bom, não existem grandes revelações na trama, mas é agradável ver como um conceito que poderia sustentar a história indefinidamente (quem nunca?) é abandonado organicamente e a trama evolui para algo diferente.
Sim, a história evolui, mas os personagens nem tanto :P Isso não chega a ser um problema, mas me incomoda a mania de inserir romances desnecessários numa história, mas imagino que isso seja culpa do público-alvo da revista onde Kobato foi publicado. Também tem os lugares comuns das historinhas do Clamp: meninos sérios demais, bichinhos fofinhos, paixões complicadas.
Enfim, um mangá legalzinho, mas não a ponto de ficar na minha estante. (comprem aqui XD)

# Veredicto: apesar de não se destacar, valeu a pena gastar meu tempo com essa história.
# Bom: a transformação do roteiro, pode não ser algo "oiiiihhh, que fodástico", mas foi digno de nota.
# Mau: além dos lugares comuns do grupo e do gênero, me incomodou a idéia de atirar meninas de dezesseis anos para homens muuuuuuuito mais velhos :PP (ok, é uma cena do finalzinho, pode não ser isso, o contexto justifica, mãs.... já não bastavam as discussões maldosas sobre o final de Chobbits? :P)

Iniciativa Super-Heróis (Disney): a Abril anda relançando várias coletâneas Disney em capa dura. Algumas são merecidíssimas (o relançamento das histórias do Carl Barks, por exemplo - apesar de preferir o formato maior da edição anterior), outras são duvidosas (tem aí uma com temática Cinema. Precisava de algo assim? Para quê embrulhar com formato de luxo algo que caberia normalmente num dos diversos almanaques disneyanos da editora???).
Bom, Iniciativa Super-Heróis está na segunda categoria (com os mesmos argumentos do parênteses anterior) e só comprei achando que cobriria completamente o run do Marcelo Cassaro (Holy Avenger, Turma da Mônica Jovem) no Zé Carioca/Morcego Verde, em que ele parodiou várias histórias clássicas do Batman (Cavaleiro das Trevas, Piada Mortal), isso valeria o investimento com lucro.
Valeria. Ao abrir o gibi desnecessariamente caro, descobri que só tem duas das quatro histórias escritas pelo autor =_=
De resto, tive algumas boas surpresas ao conhecer personagens como Vespa Vermelha e morri de tédio com o Super-Pateta. Sorte que já vendi no ML recuperando boa parte do dinheiro mal-gasto >=P

# Veredicto: dê mais valor ao seu dinheiro e ao apertado espaço na tua estante, não compre isso não.
# Bom: algumas histórias são divertidinhas e até vale o contraste entre histórias vindas de tempos e lugares tão díspares como EUA dos anos 60/70 e Itália do século XXI.
# Mau: material normal em embalagem de luxo. E apesar da arte menos estática dos italianos, me incomodou ver Margarida com formas, hmmm.... mamíferas. Entendedores entenderão.


outras resenhas:

Depois do Elias, agora foi a minha namorada uma pessoa insuspeita a falar bem do meu conto :DDD~

"A história é leve e bacana e com um final que, ao menos a mim, surpreendeu! Recomendo pra todo mundo!", diz a linda e fofa anônima no site da Amazon.

E concordo com ela: história minha ter um final é surpreendente, raramente termino algo XD Assim, façam um favor a vocês mesmos e comprem essa raridade; e coloquem comentários no site da Amazon também, bons reviews ajuda a convencer outras pessoas a comprar meu trabalho ;)

(Serpent Squad)
Grupo de supervilões formado pelo Cobra, Enguia e seu irmão, o Víbora. Tentaram eliminar o Capitão América e Falcão, quando estes se encontravam na mansão dos pais de Sharon Carter, mas foram derrotados.


Índice: ABCDSobre esse projeto

Minha mãe tem um deviantart, e fazia um tempão que eu não atualizava lá - vamos ver se em 2017 tomo vergonha na cara XD


Se quiserem ver o detalhe, o link é aqui


Visitem: http://marissel.deviantart.com/

(Spymaster)
Valendo-se de suas qualidades atléticas e equipamento altamente sofisticado, o Espião Mestre tornou-se um mercenário especializado em espionagem industrial. Anos atrás, formou a chamada Elite de Espionagem com o intuito de roubar segredos das Indústrias Stark. Compunham a Elite Marya Perskiyov ex-agente soviética; Samson Washington, ex-atleta circense; Farley London, mestre de disfarce; Godfried Herter, engenheiro eletrônico alemão; e o ginasta Roger Philips. Após o grupo ser derrotado pelo Homem de Ferro, o Espião Mestre fugiu, deixando o agente da Shield, Jasper Sitwell,em estado de coma. Criado por Allyn Brodsky em 1970, sua identidade continua sendo um mistério.


Índice: ABCDSobre esse projeto

Tá, depois de ir pro parque e ver dinos com o amigo, o dia seguinte era de acordar cedo e ir pra estação pegar o trem-bala (ou "shinkansen"; 新幹線) para sair de Tokyo um pouquinho^^


30abr11 - trem-bala cortando a cidade, acho que perto de Akiba mesmo

Como já tinha pego a passagem um dia antes (obrigado, Adilson!), era só chegar na estação Tokyo a tempo de pegar o carro antes das 7:33. Munido de meus conhecimentos empíricos do metrô local (obrigado, Adilson!!), orientações para pegar os 54572 entroncamentos certos entre as estações Ningyocho e Tokyo (ambas no canto inferior direito do mapa)(SEMPRE TENHA UM MAPA)(já falei "obrigado, Adilson!!!"?) e minhas inconfundível cara de turista (por que será?) e mostrando bilhete na mão para qualquer funcionário uniformizado que pudesse me orientar, logo cheguei no meu cantinho da veloz modernidade nipônica :P




frente e verso do bilhete, para os curiosos


De dentro do trem, não tem muito o que falar: vagões limpos, bem cuidados, confortáveis. Todos os funcionários uniformizadíssimos.






vistas do interior do vagão e plaquinha acima da janela que indicava o meu lugar lá dentro :) (sim, eu peguei janelinha, claro!)

Apesar da velocidade alta para um trem de ferro, é menos veloz que uma aeronave, mas tem a infinita vantagem de sair e chegar dentro da cidade, em vez das gigantescas instalações enfiadas cada vez mais longe chamadas aeroportos. Assim, o trem-bala tem o preço e trata seus passageiros quase como se fosse um avião: além do conforto físico, tem vendedores que cruzam os corredores uma (ou duas? não lembro) vezes durante a viagem e bandejas para alimentação em frente a cada banco (com mapinha do trem):


como essa minha foto saiu meio tremida, roubei outra de um blog japonês.
Espero não ganhar processinho por causa disso:


Cada vez mais acho que fui muito caipira nessa viagem: não tirei todas as fotos que devia, muitas vezes por vergonha. Tipo, não tirei foto do trem quando cheguei nele, mas só na viagem de volta pra Tokyo.
Outra coisa: não tirei fotos da infinidade de uniformes que vi, japonês parece ter uma obsessão com eles: bonitos, limpos, caindo perfeitamente no corpo de quem os veste.

...assim, cada vez mais tenho certeza que eu devia organizar uma vaquinha para vocês me mandarem de novo pro Japão tirar mais fotos. Prometo até comprar câmera nova e melhor com o dinheiro de vocês para isso :]

Enfim, estando lá dentro, não tinha muito o que fazer além de ler, escrever e acompanhar a paisagem lá fora nas exatas duas horas e quarenta e dois minutos de viagem. Fiz isso, e gravei uns videozinhos toscos pra vocês - vejam por sua conta e risco, não fiz cortes, nem pus musiquinha, nem estabilizei as imagens :P

vídeo 1 (47s)


O que tem aqui? - vista da janelinha do trem passando rapidão em alguma cidade japonesa. Lá pelos quarenta segundos foco no comercial da Navitime (explico já) e fico zanzando entre janela e corredor. Vai entender.

Navitime é um software para ajudar a se localizar e andar pelo Japão - tipo o que o Google Maps faz quando você procura direções. Não cheguei a usar, mas via constantemente comerciais pelo metrô, trem e cidade afora: um homem ocidental, vestindo capacete e uniforme de corrida, tipo assim:


Achava que era algum ex-piloto de fórmula 1 fazendo bico lá, tipo o Tommy Lee Jones vendendo café Boss nas máquinas de refrigerante ("Jidouhanbaiki são um dos triunfos.do homem sobre a natureza!" me disse uma amiga nikkei estes dias, me ensinando o nome japonês das benditas maquininhas onipresentes)(em japonês se escreve assim 自動販売機 e acabei de descobrir que existe uma máquina para cada 23 japoneses o.o) mas não, é Ian Moore, um ator inglês vivendo no Japão há anos. Há uma entrevista legalzinha (em inglês) com ele aqui.

vídeo 2 (25s)


O que tem aqui? - uma cidade mais bonita, tunel, cidade, tunel, alguém tossindo, plantações :P

vídeo 3 (2m42s)


O que tem aqui? - começa com minha bagagem nas cadeiras (celular emprestado, fichário-diário e kindle), gero tédio mostrando nada por quase vinte segundos, infarto vocês com minha cara feia aos 0:27, paisagem, estrada, alternadas com vistas da bandeja de alimentos fechada (vai entender, devia ser o sono) e o trem desacelerando para chegar na estação de Gifu-Hashima, logo após um jogo de beisebol. Extra: um defeito especial roxo muito louco que não sei explicar só pra vocês, só sentir.

Eventualmente, apareceu uma vendedora de carrinho (uniforme fofo, minha memória diz que é verde-claro, mas não achei imagens confirmando isso) e comprei uma coca-cola em lata de alumínio:




assim como o Yakult, a besta aqui não guardou a lata como recordação -_-

E logo a viagem chega ao fim, cruzando 513 quilômetros do país:






foto da plaquinha da estação de Kyoto, do lado de fora do trem
e destaquezinho para um tripulante devidamente uniformizado X)


não sou mineiro, mas agora é hora de ver o trem ir embora.



Mapinha da viagem. Como eu estava do lado esquerdo do trem, acabei não vendo o monte Fuji (-‸ლ) #facepalm


Europa 2012
antes de tudo (I)antes de tudo (II) e dali eu passei X)Finalmente em Berlim, mas... vamos falar do metrô? -_-'Berlin, AlexanderplatzIntervalinhocontroladamente perdido.até a Ilha dos Museus (e não entrar lá :P)Back in the DDREntre a ilha e o portão

Japão 2011
Antes: sRViajo ou não viajo pro Japão?Prova do crimePreparação de viagem0
29/04: 1230/04: 345Sobre namorar japonesas no Japão...
01/05: 66 tão esperando ainda?789de ponta cabeça.... mesmo? A verdade revelada!!
02/05: 10


Também viajei mas não falei muito ainda: Peru 2014Europa 2015



Escrever estes posts me gastam um tempo e me retornam em melancolia. Gasto uma noite inteira escolhendo fotos, editando fotos, procurando fotos, resgatando memórias associadas; caçando em sites alheios imagens que faltam e textos explicando melhor que caracas é aquela imagem que selecionei.
Ao menos alguém vai ler no blog, por que os parentes mal se interessaram pelas fotos q tirei quando fui lá. E nas outras viagens também... e depois descobri que não é só comigo XD Viajar é algo foda. Caro, mas vale pela vida.

P.S.: esse foi um texto que pareceu ser pequeno mas foi crescendo e se desdobrando tipo gremlims depois de uma ducha o.o

(The Scarecrow)
Ebenezer Laughton era um jovem de muita ftexibilidade física. Certo dia, ele assistiu ao "Homem-Borracha" de um circo realizar números de contorcionismo e ficou obcecado por desenvolver tais habilidades. Treinando quase que incessantemente, Laughton aprendeu a contorcer e curvar seu corpo para realizar vários truques acrobáticos. Com isso, ele foi contratado para um show de variedades, onde adotou o nome de Umberto, o Fantástico. Durante uma das apresentações, o Homem de Ferro entrou no teatro perseguindo um criminoso. À procura de publicidade, Laughton deteve o bandido com um simples movimento acrobático. Nesse momento, Ebenezer se deu conta de que suas capacidades, usadas para o ganho ilícito, poderiam ser bastante lucrativas. Depois de roubar uma roupa de espantalho em uma loja de fantasias, ele apoderou-se de um bando de corvos treinados. Como primeiro trabalho de sua vida criminosa, Laughton escolheu roubar o apartamento do milionário Tony Stark. Procurando objetos de valor e dinheiro, ele encontrou planos industriais ultra-secretos e decidiu vendê-los a quem oferecesse o melhor preço. O furto trouxe o vilão de encontro ao alter ego de Stark, o Homem de Ferro (veja Homem de Ferro), o que marcou a primeira das muitas derrotas que o criminoso encontrou no futuro ao enfrentar super-heróis. Criado em 1964 por Stan Lee, ele uniu-se ao Porco-Espinho, Homem-Planta, Enguia e Víbora (veja Porco-Espinho, Homem-Planta, Enguia e Víbora) na tentativa de criar uma onda de crimes em Nova Iorque, sob o comando do criminoso conhecido como Encapuzado (veja Encapuzado). Porém, ele e todos os outros foras-da-lei acabaram sendo vencidos pelo Capitão América e Falcão.


Índice: ABCDSobre esse projeto

...o de sempre:


1) algo fica bugado


2) geralmente é sua comunicação com o mundo


3) e sem você perceber, é exposto em todos o cantos (19nov16)

(transformei um bug em metáfora, to com orguio de mim mesmo XD)

(The Swordsman)
Personagem muito controvertido, é difícil dizer se ele é realmente perverso ou não. O Espadachim foi artista de circo e, como seu nome diz, um esgrimista sem igual. Foi ele que, anos atrás, treinou Clint Barton no manejo do arco e flecha. Meses após conhecer o jovem Barton, este o apanhou roubando o dinheiro do pagamento dos artistas circenses. Livrando-se do garoto, ele fugiu e abraçou o mundo do crime. Anos depois, Clint se tornou o Gavião Arqueiro, membro dos Vingadores (veja Gavião Arqueiro). Trilhando o caminho dos foras-da-lei, o Espadachim começou a atuar como mercenário, oferecendo seus serviços a quem melhor lhe pagasse. Mais tarde, ele tentou se redimir e aliar-se aos Vingadores, mas acabou lutando contra os super-heróis e foi derrotado. Anos atrás, o vilão deixou os Estados Unidos, viajando para o Vietnã, onde permaneceu muito tempo trabalhando para criminosos. Sua arma é uma espada eletrificada capaz de emitir raios.


Índice: ABCDSobre esse projeto


17mar12 - em frente à Bibliteca Mário de Andrade


(Camões é daqueles autores que devo MUITO ler. A gente tá tão acostumar a ler tradução de autores de língua estrangeiras que desaprendemos a usar o próprio idioma de forma viva)



E sei que a música abaixo não é 100% Camões, tem o mala do Paulo no meio (e acho que o Renato também), mas quem se importa? :)

(The Sphinx)
Cerca de cinco mil anos atrás, o Esfinge era sumo sacerdote do faraó egípcio Ramsés. Como ele e os outros sacerdotes do soberano não conseguiram impedir as sete pragas do Egito (descritas na Bíblia), todos foram condenados ao exílio. Vagando pelo deserto por noventa anos, quando estava prestes a morrer, o Esfinge deparou-se com um templo onde encontrou o rubi Ka. O espírito da gema ordenou-lhe que colocasse o rubi na testa e ele obedeceu. A partir de então, deixou de ser um homem comum para se transformar em um ser dotado de grandes poderes físicos e mentais, possuidor da imortalidade. Ainda é um mistério o que ocorreu nos milênios seguintes. Atualmente, ele se faz acompanhar por Kur, um servo covarde e traiçoeiro que finge lhe ser leal. Mesmo sabendo disso, o Esfinge o mantém ao seu lado, pois Kur é um símbolo do que ele próprio foi no passado. Outra figura sempre presente na vida do poderoso egípcio é o misterioso Seyge, cujo rosto só o Esfinge conhece. Sua face é o que o vilão mais teme, pois, nela, ele pode ver o seu futuro. Recentemente, foi combatido pelo Condor (veja Condor), aliado a Potencius e Diamante (veja Potencius e Diamante). Erroneamente, Condor acreditava que o Esfinge queria tomar-se senhor do crime em Nova Iorque e tentou derrota-lo. Condor adquiriu armas na nave do Centurião de Xandar que, ao morrer, transferiu seus poderes para o terrestre Richard Rider, transformando-o no Nova (veja Nova). Criado por Marv Wolfman em 1976, ele descobriu que o Nova possuía, sem saber, a resposta para a pergunta fatídica que o importuna há cinco mil anos... mas não pôde arrancá-la do herói porque, se tentasse, Richard poderia morrer antes de lhe revelar o segredo.


Índice: ABCDSobre esse projeto

(The Blue Shield)
Quando Frank Cartelli foi assassinado por criminosos, seu filho, Joe, jurou vingar a morte do pai dando inicio a uma verdadeira guerra contra o crime. Adquirindo um cinturão (de fontes ainda não reveladas) capaz de gerar um campo de força, o rapaz criou um uniforme para ocultar sua identidade e passou a combater todos os foras-da-lei como Escudo Azul. Em sua personalidade normal, ele entrou para o sindicato do crime e, ganhando a confiança de todos, tornou-se braço direito do líder da organização. Sua maior arma é um cinto de força, que amplia as capacidades naturais de seu corpo, tornando-o superforte. O campo protetor, também gerado pelo cinto, é capaz de absorver qualquer impacto de até trezentos quilos. Criado por Tom De Falco em 1981, o Escudo Azul já lutou ao lado de Cristal (veja Cristal) e, no momento, não se tem noticias de suas atividades como super-herói.


Índice: ABCDSobre esse projeto

Fotos dela bem novinha ainda, quase dois meses de idade :3 Gatinhos fazem falta, melhor fase dos bichinhos. Ainda mais dessa.... =x




03 e 07mai10 - fazendo festa na minha cama




Extra: ela brigando com minha mão :P


03mai10



Sobre essa série de fotos, leia aqui. Não sinto que a reverei, mas o link com os dados sobre o sumiço dela é esse: http://quadr.in/milla (vai que....)

E Milla foi uma sobrevivente: certo um dia um filho da puta abandonou três gatinhos recém-nascidos no meio de uma calçada imunda, com cordão umbilical e tudo... veja aqui.

(The Scorpion)
McDonald Gargan, um investigador particular, foi contratado por Jonah Jameson (veja J. Jonah Jameson) para seguir Peter Parker e descobrir como ele conseguia tantas fotos exclusivas do Homem-Aranha em ação. Enquanto Gargan cuidava do caso, Jameson tomou conhecimento de um cientista de nome Farley Stillwell, que havia desenvolvido uma forma de causar alterações orgânicas em animais. O diretor do Clarim Diário telefonou a Gargan e arranjou para que ambos se encontrassem com Stillwell. Na ocasião do encontro, ele ofereceu uma grande soma de dinheiro ao cientista, para que desenvolvesse uma fórmula capaz de dotar uma pessoa com capacidades sobre-humanas, e ofereceu a Gargan uma quantia igual para ser a cobaia da experiência. O motivo disso era, logicamente, criar um ser com poderes para derrotar o Homem-Aranha. Stillwell, necessitando do dinheiro, submeteu Gargan a um tratamento químico e radiológico para que este pudesse adquirir poderes. A experiência foi bem-sucedida. O detetive obteve superforça, velocidade, resistência e agilidade semelhantes às de um escorpião. Equipado com uma roupa especial e uma cauda mecânica desenvolvida pelo Consertador (veja Consertador), Gargan assumiu o nome de Escorpião e foi ao encalço do Homem-Aranha. Enquanto os dois lutavam, Stillwell observou um comportamento violento e psicótico nos animais que haviam passado por seus experimentos. Concluindo que o mesmo devia ter acontecido ao detetive, ele tentou aplicar-lhe um antídoto, mas morreu na tentativa. Enlouquecido, McDonald Gargan desenvolveu um ódio tremendo pelo Aranha e por Jameson. Criado por Stan Lee em 1964, o vilão já enfrentou vários super-heróis, como Miss Marvel e Capitão América.


Índice: ABCDSobre esse projeto

...e golpisto. Bom, certa revista pos nosso poeta em exercício na capa há algumas semanas. O material de divulgação eram cartazes e adesivos para por no chão das bancas de jornal. Aproveitei a oportunidade para dar meus pulinhos em cima :P


17dez16 - foto tirada na melhor banca da Paulista


Naquele dia, tínhamos ido ao cinema* e ganhamos com a pipoca (sem manteiga, pelamordeDeus, que tipo de çer gosta daquele sebo do cinemark???) um capacete de um piloto do Império. Fizemos ele beixar a nossa versão do lado sombrio da Força:


obviamente essas unhas não são minhas

* não, não assistimos Rogue One (vamos esperar o DVD mesmo, lamento) e sim A Chegada. Façam um favor a vocês mesmos, vão ver esse filme!


"foi tudo culpa do Vingador em minha camiseta, ele quem me ordenou", disse o joaninha

P.S.: Falando em Vingador...

About this Archive

This page is an archive of entries from January 2017 listed from newest to oldest.

December 2016 is the previous archive.

February 2017 is the next archive.

Find recent content on the main index or look in the archives to find all content.

Pages

Powered by Movable Type 5.13-en